Devo pesquisar?

Devo pesquisar?

Essa pergunta é recorrente – muitos gestores são confrontados com essa dúvida: mas devo pesquisar uma vez que já sei o resultado? A resposta é sim.

Vejamos, a pesquisa tem como objetivo fornecer uma fotografia sobre o momento da empresa, do setor, da população estudada, etc. Logo, ela retrata essa percepção sobre determinado tema. Mas se o pesquisador já tem uma boa ideia daquilo que virá como resultado ainda assim deve seguir adiante? Mas por qual motivo?

Há diferentes razões para seguir com a coleta de dados e a primeira é a mais simples – série histórica. Caso essa pesquisa seja realizada com certa periodicidade (anual, semestral, etc) os resultados são importantes para manter esse registro, avaliar se esforços estão tendo resultados, monitorar políticas e ações. Há ainda casos em que uma pesquisa se mantém no ar continuamente (e apresentada a cada nova compra, a cada novo atendimento, a cada cancelamento). Nesse caso ela permite a identificação de pequenos sinais que podem exigir uma atenção do gestor para a elaboração de estratégias no futuro (enquanto uma mudança de rumo possa ser realizada em tempo hábil).

Formalização: mesmo que o pesquisador desconfie, ter um resultado para comprovar, para sustentar essa desconfiança é importante para poder subsidiar decisões, traçar planos, investir em ações, entre outras iniciativas. A comprovação, além de embasar, formaliza, é um fato que destrava / incentiva medidas, inicia um cronograma de ações e pode também subsidiar o envolvimento de outros agentes (bancos, governo, fornecedores, etc.).

A pesquisa traz mais que apenas formalização, sinalização de problemas e pontos de atenção: ela pode trazer caminhos e soluções. Especialmente com o uso de métodos propositivos, a pesquisa pode trazer contribuições que apontem um caminho para que gestores abordem determinada dificuldade, então também pode ser analisada não apenas para apontar eventuais dificuldades, mas também como uma fonte de inspiração para novas abordagens.

Também há casos em que a pesquisa pode surpreender. Ou seja, trazer um resultado não esperado para o tema estudado. E nesses casos ela tem um valor completamente diferente, podendo antecipar ações antes que elas sejam necessárias, dando um caráter antecipativo.

Sem dados, apenas com base no feeling, ações são condicionadas à percepção dos colaboradores/gestores. Os tempos são diferentes. A pesquisa é fato gerador, é algo formal que não pode ser ignorado, ela força ações e embasa decisões!

Veja também

  Dados do IBGE e do Ministério das Comunicações mostram que, desde 2016, o celular...
Após algum tempo temos novamente uma fotografia atualizada de nossa população e isso impacta como...
A SPHINX Brasil, no período de 2021 a 2022, embarcou em um grande projeto com...
No último dia 01/06/2023 o SESC/SENAC (https://www.fecomercio-rs.org.br/) realizou em sua sede um reconhecimento aos diferentes...